ENTREVISTA: Grorr

      Nenhum comentário em ENTREVISTA: Grorr

You can read this post in: Inglês

grorr-anthillVindos diretamente da França, Grorr toca seu Prog Death bem característicos. Com diversas influências, a banda criar atmosferas em suas músicas, tornando-as uma só dentro de um conjunto sublime e cativante. Seu último álbum, Anthill é uma verdadeira obra de arte para os amantes de música.

GroundCast – Para começar, conte-nos como tudo começou.

Conheci Gaël há muitos anos, mas perdemos contato depois da escolar. Um dia ele me ligou, disse que queria começar uma banda e foi assim que o Grorr nasceu. Nossos primeiros shows eram eu, Gaël e uma beatbox, Yoann se juntou a nós tocando baixo e um ano depois o mesmo encontrou Jeremy. Tivemos três tecladistas, mas acredito que agora achamos um definitivo.

GroundCast – Quais são suas influências ?

Meshuggah, Gojira, Tool, Devin Tonsend são algumas das coisas que ouvimos, também posso adicionar: world music, orquestradas e etc…

GroundCast – O que o nome Grorr significa para a banda?

Grorr não significa nada, é apenas uma palavra, é fácil de lembrar e quando você ouvir nosso nome saberá exatamente o tipo de 396161_10152447876130179_565817985_nsom que fazemos. E mesmo que nossa música soe mais séria do que o necessário, nosso nome trará a ironia por trás da música.

GroundCast – Vocês tem um álbum de 2011 (Pravda) e o mais recente (Anthill), o que mudou na banda (musicalmente), da sua criação até agora?

Quando gravamos Pravda, nossa meta era tocar algo mais dinâmico e bem alto, quando começamos a compor Anthill, a ideia era contar uma estória através das músicas, narrar algo.  Acredito que conseguimos chegar bem perto desse resultado.

GroundCast – O álbum Anthill é dividido em quatro partes, qual é o conceito por de trás do álbum?

É sobre a estória de Anthill, desde seu aparecimento na primavera e através das guerras de expansão. Acaba com a revolução do inverno chegando. Diria que o álbum é uma música de 45 minutos dividida em partes, as mesmas podem ser repetidas em um loop infinito. Nós não concluímos a estória, para que o ouvinte tire suas próprias conclusões.

GroundCast – Grorr é diferente de quase tudo que ouvi, vocês tem algo único, acredito que Anthill será o meu álbum preferido por anos. Como funcionam as composições? Tem algum propósito principal?

Ficamos felizes que você tenha gostado! Antes de falarmos em compor música, nós escrevemos uma estória, dividimos em 4 partes e então em 13 cenas. Após isso, tentamos associar as cenas com alguns temas e instrumentais, imaginamos cada personagem e cada situação. Quando todo esse frame está complete começamos a realmente compor.

530812_10152447882810179_1542086435_nGroundCast – Vocês possuem um vídeo para a música “We-Legion”, vocês tem planos para algum outro clipe? Ouvir a música juntamente com o video dá novas interpretações para a mesma, foi realmente esta a ideia?

Inicialmente queríamos um clipe que englobasse o álbum todo, mas isto seria muito caro e inviável. Nós confiamos esse projeto a Mederic Grandet, ele trabalhou 4 meses nesse clipe,  adicionou sua própria visão para a música (We-Legion), e esse foi o motivo de o termos escolhido para fazer isto. Colocou a fumaça vermelha e não nos contou o que ela significava e espera que cada um tenha sua própria interpretação.

GroundCast – Vocês possuem algum outro projeto ou banda que queiram compartilhar conosco?

Nós geralmente tocamos com duas bandas da nossa cidade, o som deles é totalmente diferente do nosso, mas você realmente devia escutar: Yurakane  and Dawn of Justice.

GroundCast – Quais são os planos futuros da banda?

Nós estamos acabando de compor nosso próximo álbum e espero que falemos disso juntos quando sair. Também estamos tentando agenda r alguns shows. E claro, não posso deixar de mencionar nosso novo tecladista, Sylvain Kasara.

GroundCast – Estamos na era da internet, onde é fácil fazer download de músicas, o que pensam sobre isso?541691_10152447870835179_1975615986_n

Acredito que estamos em uma época de transição. Hoje em dia, comprar um álbum é algo ultrapassado. Organizar turnês continua caro (assim como gravar) e vender a nossa música é necessário (as vezes de forma não direta), mas acredito que o caminho é continuar vendendo a um preço justo e claro compartilhando também com aqueles que não podem comprar.

GroundCast – Obrigado pelo tempo de vocês, agora este espaço é de vocês.

Apoie as bandas que você gosta, compartilhe, faça-os serem conhecidos!

Facebook