Home Entrevistas Entrevista Nunhood vs. Artaud

Entrevista Nunhood vs. Artaud

51
0
SHARE

Sarru Mass Nunhood!

Primeiramente eu gostaria de agradecer a todos vocês por seu tempo e seu interesse no Merciful Nuns. Foi um prazer fazer uma entrevista diretamente para vocês.

Vejo vocês logo,
Artaud

O Merciful Nuns lançou seu novo álbum, “Hypogeum II”, no início do ano. Você está satisfeito com ele?
Artaud: Na verdade, eu estou muito feliz com o álbum e com a reação positiva com  que este trabalho incomum foi recebido. Lib.I o álbum de estréia foi concebido por uma maneira de fazer música que eu não tinha ouvido falar em 20 anos. Lembra dos dias em que descobri minha paixão pela música. Esta abordagem naturalmente reduz o fator de individualidade, portanto, a  necessidade de desenvolver ainda mais os aspectos musicais do seu sucessor. Mas como desenvolver algo diferente daquilo que fora feito pelas gerações dos grandes nomes do estilo gótico, considerados perfeitos e quase como um dogma? Encontrar e trilhar um caminho que distante deste não seria fácil, pensei, mas era apenas isso. Pode parecer um pouco arrogante, mas no final tudo o que eu tinha que fazer era concentrar em mim mesmo, meus sentimentos e minhas percepções do álbum de estreia Lib.I, juntamente com reflexões sobre a passagem do tempo desde o início da minha carreira e deixar que tudo flua puro e claro. Isto é como Hypogeum II foi concebido.

O que significa o título “Hypogeum”?
Artaud: É uma espécie de templo subterrâneo que pode ser encontrado em algumas culturas antigas.

A música e toda a aura de Merciful Nuns parece ser influenciada pelo Thelema, magia de Aleister Crowley, ocultismo e maçonaria. Mesmo os fãs clubes são chamados de “lodges” e seus fãs de “Nunhood”. É porque você gosta disso ou também é ativo em todas estas coisas?
Artaud: Obviamente eu sou fascinado por essas questões. Mas não sou um ocultista de forma alguma. O objetivo da NUNHOOD é criar uma comunidade e, portanto, se esforçar para estabelecer mais e mais lodges nos países envolvidos no gótico. Eu vou estar em estreito contato com estas lojas regularmente e eu vou fazer algo especial em cada um dos seus países. Esta pode ser uma entrevista ou talvez uma reunião conosco. No futuro e conforme o tempo me permita, introduzirei uma biblioteca virtual em www.grandlodge.de. Aqui eu forneço informações sobre o assunto de minhas cartas. Apenas os membros da NUNHOOD serão convidados a entrar no site. É uma iniciação, de certo modo. Respondendo a sua pergunta sobre uma possível relação com a maçonaria: existe uma conexão, mas não é muito importante, meu principal interesse nela se limita a conceitos visuais e códigos, não mais do que isso.

Na primeira década do Garden of Delight, a espiritualidade da Babilônia e mitos sumérios eram usados como referência constante. No Merciful Nuns parece existir uma continuação deste trabalho. É isto mesmo?
Artaud: Esta sempre foi uma parte integrante de mim e não tem nada a ver com qualquer incorporação ou a transformação dos meus projetos musicais.

O que o levou a explorar as culturas antigas e o oculto?
Artaud: Minha paixão por assuntos espirituais e da religião de qualquer tipo é baseado em uma questão fundamental: De onde viemos? Assim que entramos e aprofundamos nela e nos libertamos da ideia de que tudo na Terra acontece por coincidência, é quando nós, invariavelmente, chegamos à conclusão de que todas as formas de religião e fé em geral, têm um denominador comum. Esta fonte comum que eu chamo de “Ur-Mythos” – mito arquetípico em Inglês – é a fé original e intocada com base no conhecimento verdadeiro. Os paralelos entre as primeiras civilizações da antiga Suméria e Egito, as culturas do Neolítico, os maias etc, são convincentes e atraentes, tanto que a polarização em uma religião local, acho que é incompreensível. Para mim, o oculto nem sequer entra na equação, pois o ocultismo é realizado exclusivamente na sombra do cristianismo. É de fato uma compreensão cristã do mal e eu categoricamente rejeito o Cristianismo como uma opção viável no mundo, pois poderia nunca parar em sua interpretação do mal. A maioria das religiões mundiais são baseadas na interpretação da palavra escrita e aqui estamos nós com o defeito cardeal! Interpretação é uma ferramenta do povo para o povo. Por um lado, pretende ser simples e fácil de entender, mas poderoso e intimidante por outro. O mito arquetípico, no entanto, é complexo e, portanto, difícil de entender. Neste sentido, a verdade se manifesta intimamente ligada a teorias, lendas e tradições da época antediluviana e em paralelo com muitas civilizações antigas. Por exemplo, é inconcebível que Deus poderia ter sido um antediluviano astronauta? Um viajante, um missionário, um ser humano muito avançado em relação a nós? Em quase todas as tradições religiosas e culturais, encontramos evidências convincentes de visitação humana como “professores” ou “deuses.” Como disse, uma teoria… mas será que alguém realmente acredita seriamente que ainda estamos sozinhos na vastidão do cosmos?

De acordo com esses mitos, os Annunaki são os habitantes de Nibiru, que vieram à Terra – como descrito em muitas culturas antigas. Para 2012 é esperado o retorno de Nibiru. Você acredita?
Artaud: Não. É claro que o povo crédulo pode ser confundido por eventos atuais. Verdade, segundo a tradição suméria, as órbitas dos respectivos Nibiru e a Terra devem cruzar ou pelo menos pode ser uma aproximação. O aumento da intensidade e número de terremotos – como profetizado pelos maias – são igualmente evidentes. Mas eu acho que a ênfase é colocada sobre a interpretação do calendário maia, em especial, a partir daí a conclusão desta. Afinal, há uma presunção, mas sim uma data específica para todos os cenários apocalípticos que se possa imaginar, o que de repente o Armageddon proverbial é suposto ter lugar precisamente nesta data em particular? Eu não posso conciliar essas ideias. As interseções dos dois calendários maias – o ritual e a contagem de tempo, similar ao nosso calendário juliano – cruza a cada 52 anos. De acordo com a mentalidade do mundo maia termina a cada 52 anos. Todas as estruturas do templo foram destruídas e reconstruídas no dia seguinte, como resultado da percepção de que o mundo ainda estava lá. Era apenas uma parte integrante da cultura maia para celebrar o “Fim do Mundo” e começar um novo ciclo. Dito isto, é, no entanto, um fato que a longa contagem termina em 21/12/2012 e começa do zero novamente, pela primeira vez em 26 mil anos, como é verdade que, nesse dia, a primeira vez em 26 mil anos, nossa estrela, o Sol, vem apenas para o centro da nossa galáxia, a Via Láctea. Visto de uma perspectiva astrológica será um dia muito interessante, mas certamente eu vos digo que não é o fim do mundo.

Você tem ideias específicas do que poderia acontecer no próximo ano? O retorno dos deuses? O que você acha que está acontecendo no Japão? Será coincidência?
Artaud: Como eu acabei de mencionar não acredito nesse cenário. Enquanto os arautos da tradição maia do fim do mundo, com enorme terremoto, consideram que os terremotos no Haiti, Myanmar e Japão são coincidência e não atribuem uma data específica para o retorno dos Anunnaki da cosmologia suméria. Considerando a criação, no ano 3001 a.C., suméria como a chegada dos grandes de idade, chamada Annunaki, então temos de aceitar uma proximidade suficiente de Nibiru para a Terra em cerca de 700 anos. Concluímos que essa teoria não se encaixa bem.

O 8 parece desempenhar um papel central … O símbolo sumério de Nibiru é associado com oito estrelas. Há 8 canções nos álbuns e 4 no EP. Existe algum significado especial?
Artaud: Bem, na verdade existem 12 planetas na cosmologia suméria. Assim, encontramos oito músicas de cada álbum e quatro músicas para o EP. E podemos dizer que haverá um total de oito álbuns e oito EPs. Estes, no entanto, não são afiliadas com o calendário juliano, e não correspondam a qualquer limitação de tempo.

Há algum livro que recomenda sobre as teorias dos antigos astronautas? Exceto Däniken, que é uma fraude!
Artaud: Däniken não é fraude. Desenvolveu suas teorias revolucionárias das mesmas questões fundamentais que orientam a minha inspiração. Algumas de suas ideias são muito interessantes e acho que algumas outras totalmente absurdas. Mas isto pode ser expandida em tudo o que se relaciona com esta questão particular. Eu não recomendaria um determinado livro ou publicação, a maioria já tem um conceito interessante, como Robert Charroux de “Phantastiche Vergangenheit (Grande Passado)” ou Sanger Mel “2012 – Ano do Projeto Enoch”, mas acabou perdendo para a maioria das teorias de UFOs ou a teoria pseudo-americana da “Nova Ordem Mundial”, que chama para a dominação mundial.

O que você acha dos livros de Zecharia Sitchin? Têm sido uma influência?
Artaud: Ele também oferece alguns conceitos interessantes. “O Código Cósmico” ou “Planeta 12” são livros muito interessantes, que são reveladores em muitos aspectos.

Você é um thelêmico praticante? Você realmente pratica magia?
Artaud: Não. Meu interesse é em particular em Crowley, tenho certo fascínio por esse homem.

Eu sei que você é um colecionador de livros, qual é o seu favorito? Qual foi difícil de obter ou encontrar? Você tem algum com mais de 100 anos?
Artaud: Eu tenho um monte de livros que são bastante antigos, mas isto é irrelevante. A questão é o conteúdo. E isso eu consigo cada vez mais na internet.

Garden of Delight, Lutherion e Meciful Nuns são três projetos que têm muitas coisas em comum, mas também coisas muito diferentes. É a sua necessidade como um músico que quer experimentar coisas diferentes, a mudança é necessária para a inspiração, ou tem haver com influencias musicais pessoais?
Artaud: Eu acho que em um sentido musical GOD e Merciful Nuns não estão muito distantes. Os Nuns são, basicamente, uma reflexão e um retorno às velhas virtudes de GOD, que eu sempre mantive próximas. Lutherion já é diferente. Aqui, o impulso para a mudança foi grande. Eu só queria fazer algo mais do que um som gótico puro. Pesado, teutônico e talvez mais viável comercialmente, mas eu sempre achei difícil de admitir, pelo menos no começo. Olhando para trás, tenho de admitir que meus pontos fortes estão na criação de sons escuros, complexos, melancólicos e circulares.

Que significado tem o gótico para você, exceto ser um tipo de música?
Artaud: Se você quer dizer as raízes musicais e culturais do gótico, isso significa muito para mim. Mas se eu olhar para o que tem sido feito ao longo dos anos, então não tem relação com aquilo que uma vez tive como um fascínio profundamente enraizado em mim. Tenho estado longe da cena há muito tempo. Bandas geralmente associadas com o gênero gótico hoje não me agradam. Pior, muitas delas parecem embaraçosas. É muito colorido e superficial para o meu gosto. Talvez por esta razão que eu me sentia inclinado a escrever álbuns – para reviver aquilo que foi perdido. Um recomeço, um revival dos níveis musicais e espirituais inexplorados. Preservado e transformado em um tempo antes do tempo, antes mesmo de o gênero gótico ser definido, quando ainda era somente uma convicção.

Qual é a sua opinião sobre o fato de que bandas como Evanescence, H.I.M. e Marilyn Manson serem considerados “góticas” por parte da mídia e os fãs mais jovens?
Artaud: Não tenho nenhum problema com isso. Eu sei o que é o gótico de verdade – e isso é suficiente.

A cena do rock gótico alemão da década de 90 foi muito importante com bandas como Love like Blood, the Merry Thoughts, Still Patient?, the House of Usher, Dreadful Shadows,  Age of Heaven, Dronning Maud Land, Into the Abyss, Secret Discovery e, claro, o poderoso GOD, a maioria deles hoje tristemente desapareceram. O que você acha que causou a queda do cenário do rock gótico alemão?
Artaud: A maioria dos grupos não poderia ser levado a sério de qualquer maneira. A única banda legal aqui é The Merry Thoughts. Infelizmente, Marvin tem sido e continua a ser improdutivo. E eu duvido que algum dia vai mudar.

Existe alguma banda que você considere “próximo” ao Nuns hoje?
Artaud: Creio que não.

Eu sei que uma vez que tocou “first & last & always” em um concerto. Como o som do Nuns é parecido com o do Sisters of Mercy, há alguma possibilidade de tocar este cover novamente com o Nuns ou alguma outra musica?
Artaud: Não.

Algum membro do Sisters of Mercy reclamou do nome Merciful Nuns?
Artaud: Não, mas não consigo acreditar que Andrew fosse gostar do Nuns. Na melhor das hipóteses eu acho que ele odeia tudo isto e eu gosto de ser odiado

Você acha que o rock gótico primitivo poderia ganhar de volta a sua antiga glória?
Artaud: Você quer dizer que, se grupos como o Nuns poderia ser tão famoso como as bandas dos anos 80? Não. Se você quer dizer que o Fields of the Nephelin ou o Sisters vão vender tanto quanto nos anos 80? Nenhum dos dois. O  gótico real hoje não pode ser um grande negócio, porque os ouvintes da maioria das músicas são mais orientados para o pop e temas do festas. Estamos muito mais no underground e eu adoro isso!

Você pretende refazer mais músicas do Joy Division?
Artaud: Eu penso que não. A escolha de The Eternal era simples: eu gosto do humor sombrio na música. E, a propósito, essa música se encaixa perfeitamente com o som do Nuns.

Quais são as músicas que Seth está ouvindo esses dias? Seria bom saber que discos estão em seu player e de Jawa.
Artaud: Na verdade, eu gosto de ouvir o meu próprio material. Jawa tem ouvido intensamente o The Wake. Outra banda que tem sido seriamente subestimada. Eles eram realmente bons. E certamente muito melhor do que 90% do que eles deixaram na Alemanha ou na Inglaterra naquela época. Especialmente os ingleses, que consideram sua cena gótica a única verdadeira. A realidade por trás disso é que, infelizmente, nenhuma banda da chamada segunda onda, alcançou popularidade para além das suas próprias fronteiras. Pior, nenhuma dessas bandas ter recebido um registro nosso (Dion Fortune Records), porque eles simplesmente não têm sido capazes de gerar vendas mensuráveis. GOD, The Merry Thoughts e mais tarde Diary of Dreams gerou cinco números de vendas em todo o mundo. O contingente britânico está limitado à sua própria ilha de devotos. Entretanto, consideram-se como maior que o resto do mundo. Esta atitude arrogante sempre foi um espinho no meu lado.

Você estaria interessado em compor uma trilha sonora para o filme “apropriado”?
Artaud: Há alguns anos tivemos uma faixa na trilha sonora de Jogos Mortais 2, a Lux Occulta. Eu podia imaginar a escrever uma trilha sonora completa.

Quão importante é estar em uma banda?
Artaud: Muito importante. Claro que é verdade dizer que toco a maioria dos instrumentos na gravação de estúdio. Mas, especificamente, a técnica de guitarra de Jon entre as linhas refina a música e a faz completa. Algumas das melhores músicas como Sanctuary, Body of Light e inclusive a The Eclipse foram concebidas com a estrita colaboração dele. E certamente não são as piores musicas do Merciful Nuns. Estou bem ciente de que o foco principal está sobre mim, mas que não faz justiça com Jon e Jawa. Afinal, os três estamos tocando na mesma banda nos últimos oito e seis anos respectivamente.

Por que escolher uma turnê com Whispers In The Shadow e Vendemmian. Esta foi uma grande ideia! Foi sua a ideia de sair em turnê com eles?
Artaud: Na verdade foi de Ashley (vocal do Whispers), que conheço pessoalmente e aprecio por anos. Seus dois últimos álbuns são alguns dos melhores lançamentos desenvolvidos nos últimos anos. O contato começou com Vendemmian.

Exceto Whispers in the Shadow, nenhuma outra banda hoje em dia tem se envolvido com o oculto e/ou tema dos antigos astronautas (e há sempre o Nephs, eu sei) O que foi que te fez cantar sobre esses assuntos em primeiro lugar?
Artaud: Minha eterna busca da verdade em meio à névoa de distorção religiosa. Isso resume tudo.

Quais músicas que podemos esperar em abril?
Artaud: Espere até que eu revele o conjunto de listas (risos) Prepare-se para ser surpreendido!

Será que teremos surpresas? Musicas antigas que o GOD tocou há pelo menos dez anos?
Artaud: Essa é precisamente uma das razões pela qual se dissolveu GOD! Depois de tantos álbuns e músicas que nós gostamos, para nós é impossível compilar listas. Todo mundo espera seus sons  favoritos, procura clássicos. Não havia mais espaço para a inovação. Mas algum clássico do GOD pode aparecer em nosso setlist, mas o objetivo claro e permanece nas musicas do Merciful Nuns.

Retornando à sua música, mais uma vez – como é a sensação de tocar em um concerto com o grande Fields of the Nephilim?
Artaud: Pergunte ao Carl como se sente ao tocar com o Nuns. É a única resposta que posso dar.

Qual foi o show mais memorável de sua vida, e que a tornou tão especial?
Artaud: Por causa do caráter missionário de cada show, só tem um grande significado para mim. Esse sentimento permite que em todos os brilhe uma nova luz, e leva-me a minha cruzada como um mensageiro do verdadeiro gótico em todo o mundo. No GOD tivemos, naturalmente, alguns concertos memoráveis, dos quais o nosso show de despedida em Berlim em 2008 deve foi memorável.

Qual é o significado de “paraíso”?
Artaud: Em todo lugar onde me sinto confortável pode ser um auto-paraíso. Enquanto minhas letras são muitas vezes mergulhadas em temas da vida após a morte,  estou acordado o suficiente para reconhecer a beleza do aqui e agora. Nesta nota eu gostaria de agradecer ao Nunhood pela oportunidade desta entrevista.

Fonte: Hypogeum

Compartilhe
Share