Home Entrevistas ENTREVISTA: Quadrivium

ENTREVISTA: Quadrivium

113
0
SHARE

You can read this post in: Inglês

Uma banda que é difícil de explicar qual estilo toca, com músicos competentes vindos de várias partes do mundo. Quadrivium provavelmente vai impressionar os ouvintes de boa música e boas composições. Confira agora o papo que tivemos com Erlend e não deixem de conferir essa excelente banda Norueguesa, para fãs de Arcturus e apreciadores de boa música.

GroundCast – Para começar, conte-nos, como tudo começou?
Erlend:
No início o Quadrivium começou como uma banda de Black Metal sinfônico. Isto foi em 2004, quando eu e mais um amigo precisávamos de um nome para uma banda. Fizemos algumas músicas, mas nada gravado de forma apropriada. Em 2005 eu me mudei para outra idade e foi mais ou menos o final daquilo. Mais tarde eu escrevi algumas músicas para o que se tornaria o EP Origo. Conversando com Lars Jansen (alguém que eu sempre quis ter algum projeto) eu decidi usar novamente o nome Quadrivium e acredito que esse nome se encaixe com o nome da música que tocamos. Após gravar o primeiro EP, peguei algumas músicas antigas e fiz algumas novas e com isso consegui lançar o primeiro álbum, Adversus.

GroundCast – Quais são as suas influências? Quadrivium
Erlend:
Tenho muitas influências, mas a mais gritante posso te dizer que com toda certeza é o Arcturus. Para nosso último álbum, Metocha, eu tentei incorporar elementos diferentes para dar uma variação dinâmica para o álbum. Trilhas de filmes me inspiraram bastante para as partes mais ambientes.

GroundCast – Acredito que vocês estão um passo à frente no quesito “fazer música”, como é o processo de composição de vocês?

Erlend: Isto é sempre muito difícil de explicar, pois varia muito de música para música. Costuma surgir uma parte em minha mente que eu expando (assim como acontece com muitos). O primeiro riff vai determinar boa parte da música ou toda ela, tento sentir o que a música precisa para ficar complete para mim.

GroundCast – O primeiro CD de vocês é de 2008, e em 2012 lançaram o segundo (Methocha), o que mudou na banda desde o lançamento do primeiro álbum até agora?
Erlend:
Posso dizer que tudo mudou. Nós expandimos muito as coisas e do line-up original só estamos eu e Deception. Muitas coisas mudaram na minha vida e com certeza minha atitude para com a música mudou. Aprendemos sobre produção musical, o que foi um passo muito grande para nós. O primeiro álbum foi algo mais parecido como descobrimento musical, já o segundo eu almejei algo maior, e fico bem feliz com o resultado. Claro que minha condição financeira ajudou muito agora, pois na gravação do Adversus eu era apenas um estudante pobre e sujo.

 

Erlend: Difícil dizer, posso apenas afirmar que é muito legal para um artista ser conhecido e a internet faz com que isso aconteça de forma rápida, masstyle=”text-align: justify;”>GroundCast – Estamos na era da Internet, onde tudo pode ser baixado de gr entendam que fazer música de qualidade custa dinheiro e as vezes  é muito dinheiro. O computador não pode fazer isso sozinho se você não investir em um equipamento de qualidade, o que quer dizer que tem que gastar dinheiro. Meu conselho é o seguinte: Apoiem os artistas que vocês realmente gostam para que continuem lhes proporcionando música de qualidade no future. Talvez o novo Sistema de streaming vai fazer as coisas ficarem mais fáceis para nós, mas guardarei esse julgamento para mim. Acredito que o futuro da indústria fonográfica está nisso, as gravadoras se aliarem aos serviços de streaming.

GroundCast – Você vem de um país onde normalmente saem bandas de Black metal, como é estar contra aMethocha correnteza? Como a cena norueguesa aceita vocês?
Erlend:
Eu vivo em uma zona rural na Noruega, então a cena aqui é bem pequena. Temos fãs pela Noruega toda e isso mostra que existem pessoas que gostam do nosso heavy metal estranho.

GroundCast – Você tem algum projeto que gostaria de compartilhar conosco?
Erlend:
Bem, atualmente estou trabalhando em um álbum todo acústico com o vocalista do Quadrivium. É apenas um projeto pequeno que estamos fazendo por diversão e muito provavelmente ele estará disponível inteiramente de graça na internet.

GroundCast – Qual o próximo passo para a banda? Gravar um novo CD ou sair e alguma turnê?
Erlend:
Certamente material novo. Não penso em fazer turnês ou shows, com membros da Noruega, Canadá e Hungria, acho que essa possibilidade se torna meio difícil. Nunca diga nunca, mas acho que fazer isso vai levar todos nós a falência. Estou trabalhando em algumas ideias para o novo álbum, mas nada concreto ainda.

GroundCast –Todos os membros tem outros bandas, como você faz para colocar todos para ensaiar por exemplo?
Erlend:
Isto é feito pelo maravilhoso mundo da internet. Nós nunca ensaiamos e nem pensamos mesmo em fazer shows. Eu escrevo todas as músicas e todos gravam suas partes em estúdios locais ou em seus home studios (caso possuam). Methocha, exceto pela bateria, foi totalmente feito em nossos Home Studios, no caso de gravar a bateria, queríamos um bom equipamento para que ela soasse legal e então gastamos boa parte do dinheiro de gravações com isso, tenho certeza que essa foi uma ótima decisão!

GroundCast – Obrigado pelo seu tempo, agora este espaço é seu para dizer algo para os leitores.

Erlend: Continuem apoiando suas bandas favoritas, mesmo que isso seja apenas uma mensagem legal no facebook ou site, mas pode ter certeza que isso faz com que queiramos fazer mais música!

Facebook

Compartilhe
Share