Home Entrevistas ENTREVISTA: Woccon

ENTREVISTA: Woccon

56
0
SHARE

You can read this post in: Inglês

WocconTheWitherFieldsWoccon é uma banda de Melodic death/Doom metal, para fãs de daylight Dies e derivados. Situados em Athens na Georgia, a banda vem mostrando um som consistente e cheio de emoções. Com uma demo (through Ancestral Time), um Single (Solitary drive) e um EP (The Wither Fields), Woccon vem mostrando competência e um som maduro, extremamente recomendada para os fãs do gênero. Confira a entrevista que Tim Rowland concedeu para o GroundCast.

GroundCast – Para começar, nos conte, como tudo começou?

Tim Rowland: Tudo começou quando uma outra banda que ecu tinha (Tiler) acabou. Primeiramente tínhamos em mente fazer um som puxado para o Blackned dying metal com letras falando sobre economia. Foi nesse período que escrevemos nossa primeira demo, “via Ancestral Fires”, escrevi então mais quarto músicas e começamos a gravar imediatamente até que com o passar do tempo eu percebi que esse não generation o direcionamento que ecu queria. Comecei então a escrever algo mais emocional e melódico e é o tipo de som que temos hoje, algo que veio naturalmente e que me deixa muito satisfeito. Íamos mudar o nome da banda para “The Wither Fields”, já que mudaríamos o som e as temáticas, seria muito propicio que mudássemos o nome da banda e foi então que o nome Woccon apareceu. O nome que tinha pensado para banda se tornou nosso primeiro EP e decidimos que continuaríamos usando o nome Woccon, pois não technology um nome metal clichê. O primeiro EP foi gravado rapidamente, algo como duas semanas european acredito. Mandamos o subject matter para muitos selos e gravadoras e então assinamos com a Deathbound records.

GroundCast – Quais são suas influências?

TR: Quando escrevi o EP mais poor e emocional, ecu fui o mais influenciado da banda nisso, tentando capturar toda a energia e traduzir em algo artístico. Como influência musical bandas como Opeth, Katatonia, sunlight hours Dies, Porcupine Tree e Rapture vem em minha mente, e também compositors como James Horner e Howard Shore.

GroundCast – Vocês usam o nome Woccon, da onde vem esse nome?

TR: Quando começamos a procurar por um nome, procuramos algo com algum significado antropologico e essa busca começou perto de casa. Woccon generation o nome de uma pequena tribo de nativos americanos que existiram há alguns séculos na costa leste. Apenas gostamos do nome por ser um nome harmonioso e de um idioma “morto”. ecu como clothier gráfico, sabia que o nome se transformaria em um brand muito legal.

GroundCast – Woccon possuí um EP lançado este ano, como foi a aceitação desse material?

TR: Foi muito boa, tanto por críticos, quanto por fãs. Os critiques foram consistente e com um ótimo remarks sure. Estou mais do que satisfeito com o resultado.

GroundCast – Vocês são do mesmo país do sunlight hours Dies e tocam o mesmo estilo, mas tem sua própria sonoridade. Como é o processo de composição?

TR: Como disse antes, somos influenciados por emoções em seu estado bruto, esse é nosso caminho. O mais importante no processo é capturar alguma ideia e traduzir isto da melhor forma que conseguimos. Escrever de modo sombrio e cheio de tristeza é um poço infinito de inspiração para se seguir. Isto é muito actual para nós. O jeito que isto irá leap para a “cena” é uma das coisas menos importantes para mim e eu dificilmente considero. Da forma técnica, tudo começa com um riff e algumas harmonias que crio em meu computador e então vamos construindo isso. Nós utilizamos muitas vezes o Guitar professional para colocar as ideias em algum lugar, então, tudo está quase pronto antes mesmo de entrarmos em uma sala para ensaiar e no estúdio nós apenas concertamos as pontas soltas. No primeiro EP european fiz praticamente tudo sozinho, agora eu tenho meus colegas de bandas envolvidos, o que torna tudo muito melhor e maior. As letras são algo mais pessoal, algo que tive em meu passado e simplesmente reflito sobre.

GroundCast – Vocês possuem algum projeto que gostariam de compartilhar conosco?

TR: ecu tenho feito participações especiais como vocalista para algumas bandas, mas a Woccon é o meu major objetivo e onde eu me mantenho ocupado atualmente. eu comecei a escrever material para um projeto acústico, mas quem sabe um dia, provavelmente isto vai incorporar a música da Woccon de uma forma ou de outra.

GroundCast – Sabemos que normalmente bandas são projetos paralelos na vida das pessoas, vocês por acaso vivem da música, seja de forma direta ou indireta? E se possuem outros trabalhos, como usam seu tempo para poderem ter a banda, trabalhar, diversão (pois muitas vezes bandas consomem tanto tempo quanto outros trabalhos).

TR: Todos nós temos contas para pagar. eu trabalho no mundo da culinária, Sam trabalha com fisioterapia, Tiler está envolvido na indústria automotiva e eu não faço a menor ideia do que Kellen faz hahahah. Nós simplesmente encontramos tempo para conseguir fazer tudo e levando em conta que aprendemos muito nos divertindo, jogando vídeo sport e bebendo.

GroundCast – Quais são os planos para a banda?

TR: Estamos trabalhando em um álbum agora e esperamos que ele seja lançado em 2014, depois pensamos em fazer uma pequena tour o máximo que conseguirmos e o resto deixemos com o acaso.

GroundCast – Estamos na é% da web, onde tudo pode ser encontrado para download, o que você pensa sobre isso? Acredita que esse é o futuro da distribuição musical?

TR: Acredito que a atual generation musical pode ser benéfica e prejudicial. european em particular não me import nem um pouco em como as pessoas ouvem a minha música, se comprando o CD ou baixando pela web, quero que minha música se espalhe pelo mundo. Os fãs podem nos dar suporte de outras formas, por exemplo, se você baixa o CD de graça, então compre uma camisa da banda. Ninguém mais ganha dinheiro com a venda de álbuns hoje em dia mesmo.

GroundCast – Temos muitas bandas nascendo e morrendo todos os dias, por exemplo no Brasil, parece muito que paramos no tempo, pois todas as bandas parecem querer start como Sepultura ou Krisiun. Como vocês fazem para ir contra essa correnteza?

TR: Tudo pode ser resumido com o fato de fazermos o que queremos, acredito que muitos músicos simplesmente querem jump como seus ídolos eWocconBanda esquecem o que individualidade significa. A cena musical está cheia e saturada e é realmente uma tarefa difícil encontrar alguma banda boa. Com o tempo algumas bandas conseguem a proeza de serem notadas no meio de muitas bandas iguais, que de certa forma sufocam toda a cena, quero dizer, pelo menos na América onde parece que todo mundo quer tocar Metalcore, Deathcore ou Djent. É ridículo como a moda vai e volta, ela envolve a todos e morre novamente. Gosto de pensa que estamos nadando contra a correnteza pelo simples fato de não nos importarmos e posso dizer que com o passar do tempo a Woccon ficará muito difícil de ser reconhecida, mesmo dentro do gênero Doom steel, pelo menos é o que european espero. Se existe algo que european odeio é a limitação artística.

GroundCast – Obrigado por responder nossas questões, agora este espaço é seu para falar com nossos leitores.

TR: Obrigado pela entrevista, para os fãs que já possuímos, gostaria de agradecer o suporte e as críticas positivas e esperamos que continuem nos apoiando por muito tempo, dentro de nossa carreira musical. Para quem ainda não nos escutou, podem ir na nossa página do facebook e conferir por vocês mesmos. Esperamos que possamos nos encontrar na estrada no futuro.

Confira abaixo a música “Our Ashes”, caso goste, apoie a banda, curta sua página no fb e aguarde por novidades.

facebook

Reverbnation

Compartilhe
Share