[Resenha] The Sleeper – Apparatus (2018)

1. Synthetic Gospel
2. Glass Eater
3. Inertia Spiral
4. Engineer
5. Sentinel
6. The God Of Suffocation

Prog Metal / Metalcore, ASTAT Entertainment

Desde que eu ouvi o Between Buried and Me, Lo! e os discos mais recentes do Mastodon venho a perceber que o metalcore ganhou uma roupagem nova com a adição de elementos do metal progressivo e também de post-metal. O que é muito bom, tendo em vista que é muito complicado um gênero conseguir agregar outras características e ainda soar como alguma coisa nova. E falo com muita surpresa deste trabalho dos alemães do The Sleeper.

Contando com uma produção bem caprichada de John Browne (que também é/foi músico nas bandas FluxConduct, Monuments e Fellsilent), imprime neste lançamento uma musicalidade bastante limpa e um trabalho bem bacana de mixagem, com todos os instrumentos e vozes bem audíveis. A banda soa musicalmente como uma mistura de influências de grandes nomes como Meshuggah, As I Lay Dying, All That Remains, além de complexidade sonora, sobretudo entre as linhas de bateria e guitarra.

Abrindo o EP temos Synthetic Gospel com um metalcore fortemente marcado por uma bateria rápida e linhas melódicas de guitarras, numa composição muito técnica. Glass Eater é ainda mais veloz e técnica, com sonoridade que beira o death metal europeu e intercalada na dupla vocal limpo e gritado, que soa bastante clichê e desnecessária, pois repete um clichê muito frequente dentro do próprio metalcore. Inertia Spiral segue a mesma linha da música anterior e, apesar de ser bem composta e executada, não traz nada muito novo e repete ainda os mesmos erros. Contudo, dá um bom single para a banda, abrindo um pouco para quem quiser conhecer o trabalho integral.

Engineer é uma faixa instrumental muito bonita, com uma parte acústica bem desenvolvida, que ressalta muito as características progressivas do conjunto, até lembrando vagamente alguns sons do The Ocean. Essa é uma das melhores ideias para uma música instrumental, que prepara a chegada da devastadora Sentinel. Essa música foge um pouco do conjunto metalcore das anteriores, com direito a partes em que o vocal não está sincronizado com os outros instrumentos, garantindo uma característica muito interessante (ou que pode ser percebida como uma falha por algumas pessoas). Para finalizar este disco, The God Of Suffocation se mostra como uma das músicas mais criativas apresentadas neste trabalho, contendo um instrumental mais rico e resumindo muito do que se encontra no disco todo.

Como trabalho, é muito bom e mostra todo o potencial da banda. Porém, ainda é preso demais dentro dos clichês do metalcore e do prog metal. Ainda sim começa bem o ano que vem por aí.

Links Relacionados

https://www.facebook.com/thesleeperofficial
https://thesleeperofficial.bandcamp.com/